22 julho 2018

A CGTP E O CENTRO DE RELAÇÕES LABORAIS


O EXPRESSO de 7-7-2018 publicou um interessante artigo da jornalista Rosa Pedroso Lima intitulado “Patrões ameaçam despedir CGTP”, sobre a decisão da CGTP-IN em não assumir a presidência do Centro de Relações Laborais (CRL). Como consequência, as confederações pretenderiam propor a saída da confederação sindical desta instituição, refere o artigo, que expõe também as (inacreditáveis) declarações de João Torres, dirigente da CGTP-IN, sobre o assunto.

Esta deliberação da CGTP-IN foi tomada contra a nossa opinião. Pior, esta é uma decisão contrária aos interesses dos trabalhadores e à estratégia confederal adoptada desde há muitos anos quanto à intervenção nas instituições de participação, informação e consulta.

Estas instituições, criadas nas Sociedades Democráticas para permitir a participação dos sindicatos, são espaços privilegiados de representação de interesses, de acesso a informações, de auscultação sobre temáticas relevantes e/ou de negociações de nível superior económico e social, conforme o respectivo estatuto. 

A sua composição tripartida, com empresários, governo e, consoante os casos, organizações da Sociedade Civil, fazem destas instituições importantes fóruns de influência e de visibilidade pública dos sindicatos.

Neste quadro, a CGTP-IN integra o Conselho Permanente de Concertação Social, o Comité Económico e Social, o Centro de Relações Laborais, em Portugal, e o Comité Económico e Social Europeu, em Bruxelas, entre várias outras, cada uma com atribuições próprias.
A participação da CGTP-IN nestas instituições (e noutras de igual composição e semelhante missão, como a Organização Internacional do Trabalho, OIT) tem um objectivo – defender os interesses de quem trabalha, de acordo com os seus princípios e valores, o seu quadro de análise e as suas propostas. 

Esta participação é um direito inquestionável – ser feita de “corpo inteiro” é um dever indiscutível! Ninguém pode impedir a participação da CGTP-IN nestas instituições - mas também esta não se pode eximir de assumir as responsabilidades que lhe competem!
Mesmo no Conselho Permanente de Concertação Social, se constatamos que o histórico da sua participação é de (quase) ausência de subscrição de Acordos de Concertação, verificamos, porém, que, ao longo dos anos e em todos os casos, sempre interveio activamente e apresentou argumentos para não os subscrever, fossem eles quais fossem - inclusivamente, no caso dos três últimos Acordos de Concertação sobre os aumentos do Salário Mínimo Nacional, que tão importantes têm sido para fazer progredir os rendimentos mínimos e médios do Trabalho!

A deliberação da CGTP-IN (e as declarações de João Torres, que demonstram uma inaceitável arrogância), prejudicam os interesses de quem trabalha. A melhor prova é que as confederações patronais as utilizaram imediatamente para tentar concretizar um seu velho objectivo – afastar a CGTP-IN destas instituições, por agora do CRL!
A CGTP-IN tem que assumir, de “corpo inteiro” a responsabilidade da sua participação no CRL - chegado o momento de assumir a respectiva presidência, deve-o fazer com todo o respeito aos interesses de quem trabalha e à instituição em que participa por direito próprio!
O saudoso Manuel Lopes afirmava: “A CGTP-IN está em todos os locais para defender os trabalhadores – desde os locais de trabalho até ás instituições. A CGTP-IN está em todos os locais em que os outros estão mas está também num local onde mais ninguém está a não ser a CGTP-IN - o do campo do conflito sindical”. 

Recusar o exercício da presidência do CRL expressa exclusivamente uma deriva esquerdista e inconsequente da maioria dos dirigentes da CGTP-IN – coerentemente, nós vamos continuar a defendê-lo!

Carlos Trindade
Fernando Gomes
Fernando Jorge
Carlos João Tomás
Vivalda Silva
Jornal Expresso, edição de 21 de Julho de 2018

28 maio 2018

Declarações de Carlos Trindade à RTP durante o Congresso do Partido Socialista

Aqui ficam as declarações de Carlos Trindade, Secretário-geral da Corrente Sindical Socialista da CGTP-IN, à RTP, durante o 22.º Congresso do Partido Socialista que se realizou de 25 a 27 de Maio de 2018, na Batalha, Leiria.

03 maio 2018

1º de Maio 2018, o desfile, desde o Martim Moniz até à Alameda

Aqui deixamos um vídeo que mostra o desfile do 1.º de Maio da CGTP-IN, onde participaram delegados, dirigentes e activistas sindicais, independentes e socialistas que fazem parte da Corrente Sindical Socialista da CGTP-IN.

20 março 2018

Testemunhos XV Congresso - Fernando Gomes

Fernando Gomes, membro do Secretariado e da Comissão Executiva da CGTP-IN, fala ainda sobre o XV Congresso da CSS da CGTP-IN.

18 março 2018

Testemunhos XV Congresso - José Pinheiro

José Pinheiro do Sindicato dos Professores da Zona Sul (SPZS) deixa o seu testemunho sobre o congresso.

16 março 2018

Testemunhos XV Congresso - José Carlos Dantas

José Carlos Dantas, Presidente da Direcção do SIFAP, deixa também o seu testemunho sobre o XV Congresso da Corrente Sindical Socialista da CGTP-IN​.

12 março 2018

Testemunhos XV Congresso - Graça Silva

Graça Silva do STAL Açores deixa testemunho sobre o XV Congresso da Corrente Sindical Socialista da CGTP.

10 março 2018

Testemunhos XV Congresso - Eduardo Teixeira

Testemunho de Eduardo Teixeira, dirigente do STAD Porto, sobre o XV Congresso da Corrente Sindical Socialista da CGTP-IN que se realizou a 24 e 25 de Fevereiro de 2018, em Lisboa.

07 março 2018

Testemunhos do XV congresso - Brígida Batista

Brígida Batista é do Sindicato dos Professores da Grande Lisboa (SPGL) e do Conselho Nacional da CGTP-IN.

28 fevereiro 2018

Testemunhos do XV congresso - João Maneta

João Maneta, que esteve presente no Congresso em representação dos trabalhadores do distrito de Évora, é dirigente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT).

Neste testemunho fala-nos da Corrente e das lutas nos CTT.

João Maneta é também membro do Conselho Nacional da CGTP-IN.

27 fevereiro 2018

Testemunhos sobre o XV congresso - Wanda Guimarães

Wanda Guimarães, Secretária Nacional para o trabalho do Partido Socialista, marcou presença no XV Congresso da Corrente Sindical Socialista da CGTP.

25 fevereiro 2018

3.ª Sessão do XV Congresso da Corrente Sindical Socialista

3.ª Sessão do XV Congresso da Corrente Sindical Socialista da CGTP-IN a decorrer em Lisboa.

Conferência sobre Negociação Colectiva em Portugal no Sector Público e no Sector Privado

Conferência sobre Negociação Colectiva em Portugal, no Sector Público e no Sector Privado, organizada pela Fundação Friedrich Ebert e Instituto Ruben Rolo.

A abertura da Conferência esteve a cargo de Carlos Trindade, Presidente da Direcção do Instituto Ruben Rolo.

Como oradores, Luís Dupont, Vice-Presidente da Direcção do Sindicato Nacional dos
Técnicos Superiores de Saúde (STSS) e Maria Fernanda Moreira, Presidente da Direcção do Sindicato
Nacional dos Profissionais da Industria e Comércio do Calçado, Malas e Afins.

A Conferência é moderada por Reinhard Naumann, Director da Fundação Friedrich Ebert em Portugal.

Conferência sobre Negociação Colectiva em Portugal no Sector Público e no Sector Privado

Conferência sobre Negociação Colectiva em Portugal, no Sector Público e no Sector Privado, organizada pela Fundação Friedrich Ebert e Instituto Ruben Rolo.

A abertura da Conferência esteve a cargo de Carlos Trindade, Presidente da Direcção do Instituto Ruben Rolo.

Como oradores, Luís Dupont, Vice-Presidente da Direcção do Sindicato Nacional dos
Técnicos Superiores de Saúde (STSS) e Maria Fernanda Moreira, Presidente da Direcção do Sindicato
Nacional dos Profissionais da Industria e Comércio do Calçado, Malas e Afins.

A Conferência é moderada por Reinhard Naumann, Director da Fundação Friedrich Ebert em Portugal.

Como se pode ser membro da Corrente Sindical Socialista da CGTP-IN

A Corrente Sindical Socialista da CGTP-IN é a organização que agrupa delegados, dirigentes e activistas sindicais socialistas ou independentes que desenvolvem a sua actividade no âmbito dos Sindicatos, Uniões e Federações da CGTP-IN e nos órgãos centrais da Confederação Geral de Trabalhadores.

Podem inscrever-se na Corrente como militantes ou simpatizantes.

Os militantes tem que ser militantes do Partido Socialista e sócios, delegados ou dirigentes de um Sindicato da CGTP-IN.

Os simpatizantes tem que ser militantes do PS e activistas sindicais ou sócios de um Sindicato da CGTP-IN.

Poderão usar, para pedidos de fichas e outros esclarecimentos, o email:
correntesindicalsocialista.cgtp@gmail.com

Inscreve-te!