20 maio 2019

Sindicalistas socialistas e independentes da CGTP-IN apoiam o Partido Socialista nas eleições europeias



NAS ELEIÇÕES EUROPEIAS DE 26 DE MAIO:

OS SINDICALISTAS SOCIALISTAS E INDEPENDENTES DA CGTP-IN EXORTAM OS TRABALHADORES A VOTAR NO PS, PARA CONTINUARMOS A MELHORAR A NOSSA VIDA!

No próximo dia 26 de Maio, vão-se realizar eleições para o Parlamento Europeu.

Estas eleições têm uma grande relevância porque o projecto europeu se encontra actualmente sob sérios riscos.

O grande e principal risco é que cerca de 23% da população, aproximadamente 125 milhões de cidadãos europeus dos vinte e oito estados-membros, é pobre ou está em risco de pobreza. A pobreza, as desigualdades e a exclusão social, derivadas de uma distribuição da riqueza cada vez mais desequilibrada, em benefício do capital, são um facto demonstrado em todas as estatísticas e estudos realizados.

A actual situação foi causada pelas políticas neoliberais e de austeridade que, nos últimos anos, têm sido implementadas na Europa, principalmente por partidos da Direita, como o PSD e o CDS em Portugal.

A consequência é que a injustiça social é um facto incontornável e a sua percepção é generalizada na realidade europeia.

É desta situação social objectiva que, em muitos estados-membros, crescem ou nascem movimentos protofascistas ou neofascistas, denominados erradamente populistas. Este é o segundo risco que existe hoje na União Europeia – com as suas mensagens primárias, de carácter racista, xenófobo, proteccionista e nacionalista, utilizando as novas tecnologias de comunicação, estes movimentos têm capitalizado as angústias e o mal-estar de uma parte relevante das populações europeias.
Este risco existe porque, nesses países, as políticas (económicas, financeiras, sociais, ambientais e regionais) progressistas, de prosperidade repartida e de inclusão deixaram de ser realizadas e foram substituídas por políticas neoliberais e de austeridade.

Nos países em que a governação foi progressista, mesmo limitada e com contradições, tendencialmente, os movimentos protofascistas ou neofascistas têm pouca ou nenhuma expressão popular!

Portugal, desde 2015, é o melhor exemplo desta constatação.

Com o Governo PS, devidamente sustentado na Assembleia da República pelos outros partidos da Esquerda, foi parada e superada a política de austeridade que o PSD e o CDS implementaram em Portugal durante cerca de cinco anos e que provocou desemprego, pobreza e retrocesso social.

As actuais políticas do Governo PS produziram o crescimento dos rendimentos (salários e pensões) e a recuperação de direitos sociais, a criação de novos direitos sociais, a descida do desemprego e o crescimento do PIB. Se ainda falta muito “caminho para caminhar”, a verdade é que este é “o caminho” que é necessário continuar a trilhar!

O Governo PS e o primeiro-ministro António Costa provaram, em Portugal, que existe um outro caminho para a Europa que não o da austeridade, da pobreza, da exclusão e das desigualdades!
Nas próximas eleições europeias, VOTAR PS é:
  • Validar a estratégia política e as políticas públicas progressistas que têm sido realizadas em Portugal pelo Governo PS;
  • Consolidar o caminho que tem sido trilhado e projectá-lo para o futuro – para o reforçar e, naturalmente, realizar o que, até agora, ainda não foi possível solucionar;
  • Afirmar que, no mundo global em que vivemos e para enfrentar e vencer os profundos desafios que coloca, o projecto europeu continua válido e cada vez é mais necessário – mas tem de ser sustentado na prosperidade para todos, na justiça social, na democracia, num novo contrato social e no respeito pela igualdade entre os estados-membros, marcas europeias distintivas e indeléveis, conforme a História demonstra até à saciedade;
  • Atribuir força política ao PS para que defenda, na União Europeia, esta estratégia – as políticas europeias têm de a assumir, abandonando as actuais políticas neoliberais e de austeridade.
  • Garantir que é com esta estratégia, que mobiliza a cidadania porque é a única que produz crescimento económico, distribuição da riqueza, progresso social, coesão regional e sustentabilidade ambiental, que se reerguerá de novo o sentimento pró-europeu e se combaterão e vencerão as forças protofascistas ou neofascistas que ensombram a nossa sociedade democrática.
É neste quadro, complexo mas altamente motivante para os/as sindicalistas, representando todos os sectores e profissões e todos os homens e mulheres, enquanto cidadãos interventivos, democratas, progressistas e de Esquerda, que
OS SINDICALISTAS SOCIALISTAS E INDEPENDENTES DA CGTP-IN
EXORTAM OS TRABALHADORES A VOTAR NO PS
PARA CONTINUARMOS A MELHORAR A NOSSA VIDA!

Não temos dúvidas: o PS demonstrou qual é a melhor estratégia e quais são as políticas públicas mais adequadas para o actual momento político que vivemos – para as prosseguir e aprofundar em Portugal e ultrapassar as actuais e profundas dificuldades da construção europeia, é fundamental que a União Europeia mude de caminho!

DIA 26 MAIO, VAMOS TOD@S VOTAR NA LISTA PS,
ENCABEÇADA POR PEDRO MARQUES,
PARA CONTINUARMOS O COMBATE PARA MELHORARMOS A NOSSA VIDA,
NA EUROPA E POR PORTUGAL!

Lisboa, 20 de Maio de 2019

A Corrente Sindical Socialista da CGTP-IN

01 maio 2019

Intervenção Fernando Gomes no jantar de sindicalistas com Pedro Marques

Intervenção Fernando Gomes, em nome da Corrente Sindical Socialista da CGTP-IN, no jantar de sindicalistas socialistas e independentes com Pedro Marques, cabeça de lista do Partido Socialista às eleições europeias de 26 Maio, na Sala dos Despachantes da Alfândega do Porto que se realizou a 30 de Abril de 2019.


25 abril 2019

JANTAR DE SINDICALISTAS COM PEDRO MARQUES

A Tendência Sindical do Partido Socialista, que integra a Corrente Sindical Socialista da CGTP-IN, no âmbito das eleições europeias, promove um jantar de apoio ao Partido Socialista e à lista encabeçada por Pedro Marques.

Este jantar, comemora também o 1.º Maio, dia do trabalhador, e está aberto a sindicalistas socialistas e independentes da CGTP-IN que participam na actividade da CSS da CGTP-IN.

O Jantar realiza-se dia 30 de Abril, pelas 20 horas, na Sala dos Despachantes da Alfândega do Porto.

O Jantar tem um custo de 10 €, Para esclarecimentos e inscrições poderão usar o e-mail da CSS da CGTP-IN: (correntesindicalsocialista.cgtp@gmail.com)

10 abril 2019

Os princípios... (2)

À CGTP, como confederação sindical, cabe lutar pelos direitos e interesses dos trabalhadores, não cabe apelar ao voto em partidos políticos.

09 abril 2019

Os princípios... (1)

A CGTP é uma confederação sindical. Não lhe cabe responsabilizar os partidos políticos. A sua acção reivindicativa faz-se ao patronato e ao governo.

19 janeiro 2019

MORREU O DIAMANTINO ELIAS


DIRIGENTE HISTÓRICO DA CORRENTE SINDICAL SOCIALISTA DA CGTP-IN

A CSS da CGTP-IN apresenta sinceras e sentidas condolências à família

Morreu Diamantino Elias, sindicalista, dirigente histórico da CSS da CGTP-IN e que foi, durante décadas, presidente do Sindicato Nacional dos Profissionais de Farmácia e Paramédicos (SIFAP)

Como socialista que sempre se assumiu, o Diamantino foi também membro do Conselho Nacional da CGTP-IN durante vários mandatos e, nesta dupla qualidade, integrou o núcleo fundador da Corrente Sindical Socialista da CGTP-IN, em 1989.

A sua habitual postura combatente era reconhecida por todos, inclusive pelos membros das outras correntes político-ideológicas da CGTP-IN e o seu papel firme e determinado na defesa dos ideais e dos sindicalistas socialistas no VII Congresso da CGTP-IN, realizado também no ano de 1989, devidamente articulado com o saudoso Camarada Ruben Rolo, é lembrado por todos como exemplo maior de combatividade político ideológica.

A Corrente Sindical Socialista da CGTP-IN, em nome dos trabalhadores e sindicalistas socialistas da CGTP-IN, apresenta à família de Diamantino Elias as suas mais sinceras e sentidas condolências.

Que o espírito de sindicalista, a firmeza ideológica e a combatividade política em nome dos ideais socialistas e sindicalistas do Camarada Diamantino Elias seja um exemplo para todos os militantes e simpatizantes da CSS da CGTP-IN.

Lisboa, 19 de Janeiro de 2019
O Secretariado Nacional
da Corrente Sindical Socialista da CGTP-IN
Foto de José Costa Velho

Estruturas sectoriais do Partido Socialista reunidas em Lisboa

As estruturas sectoriais do Partido Socialista estão hoje reunidas em Lisboa. Uma iniciativa do departamento de trabalho do PS que decorre no Hotel Roma em Lisboa.

Neste momento está a intervir Pedro Marques, Ministro do Planeamento e das Infraestruturas.

14 janeiro 2019

Encontro estruturas sectoriais do Partido Socialista

O departamento de trabalho do Partido Socialista organiza no próximo dia 19 de Janeiro de 2018, no Hotel Roma em Lisboa, um encontro nacional de estruturas sectoriais do PS.

22 julho 2018

A CGTP E O CENTRO DE RELAÇÕES LABORAIS


O EXPRESSO de 7-7-2018 publicou um interessante artigo da jornalista Rosa Pedroso Lima intitulado “Patrões ameaçam despedir CGTP”, sobre a decisão da CGTP-IN em não assumir a presidência do Centro de Relações Laborais (CRL). Como consequência, as confederações pretenderiam propor a saída da confederação sindical desta instituição, refere o artigo, que expõe também as (inacreditáveis) declarações de João Torres, dirigente da CGTP-IN, sobre o assunto.

Esta deliberação da CGTP-IN foi tomada contra a nossa opinião. Pior, esta é uma decisão contrária aos interesses dos trabalhadores e à estratégia confederal adoptada desde há muitos anos quanto à intervenção nas instituições de participação, informação e consulta.

Estas instituições, criadas nas Sociedades Democráticas para permitir a participação dos sindicatos, são espaços privilegiados de representação de interesses, de acesso a informações, de auscultação sobre temáticas relevantes e/ou de negociações de nível superior económico e social, conforme o respectivo estatuto. 

A sua composição tripartida, com empresários, governo e, consoante os casos, organizações da Sociedade Civil, fazem destas instituições importantes fóruns de influência e de visibilidade pública dos sindicatos.

Neste quadro, a CGTP-IN integra o Conselho Permanente de Concertação Social, o Comité Económico e Social, o Centro de Relações Laborais, em Portugal, e o Comité Económico e Social Europeu, em Bruxelas, entre várias outras, cada uma com atribuições próprias.
A participação da CGTP-IN nestas instituições (e noutras de igual composição e semelhante missão, como a Organização Internacional do Trabalho, OIT) tem um objectivo – defender os interesses de quem trabalha, de acordo com os seus princípios e valores, o seu quadro de análise e as suas propostas. 

Esta participação é um direito inquestionável – ser feita de “corpo inteiro” é um dever indiscutível! Ninguém pode impedir a participação da CGTP-IN nestas instituições - mas também esta não se pode eximir de assumir as responsabilidades que lhe competem!
Mesmo no Conselho Permanente de Concertação Social, se constatamos que o histórico da sua participação é de (quase) ausência de subscrição de Acordos de Concertação, verificamos, porém, que, ao longo dos anos e em todos os casos, sempre interveio activamente e apresentou argumentos para não os subscrever, fossem eles quais fossem - inclusivamente, no caso dos três últimos Acordos de Concertação sobre os aumentos do Salário Mínimo Nacional, que tão importantes têm sido para fazer progredir os rendimentos mínimos e médios do Trabalho!

A deliberação da CGTP-IN (e as declarações de João Torres, que demonstram uma inaceitável arrogância), prejudicam os interesses de quem trabalha. A melhor prova é que as confederações patronais as utilizaram imediatamente para tentar concretizar um seu velho objectivo – afastar a CGTP-IN destas instituições, por agora do CRL!
A CGTP-IN tem que assumir, de “corpo inteiro” a responsabilidade da sua participação no CRL - chegado o momento de assumir a respectiva presidência, deve-o fazer com todo o respeito aos interesses de quem trabalha e à instituição em que participa por direito próprio!
O saudoso Manuel Lopes afirmava: “A CGTP-IN está em todos os locais para defender os trabalhadores – desde os locais de trabalho até ás instituições. A CGTP-IN está em todos os locais em que os outros estão mas está também num local onde mais ninguém está a não ser a CGTP-IN - o do campo do conflito sindical”. 

Recusar o exercício da presidência do CRL expressa exclusivamente uma deriva esquerdista e inconsequente da maioria dos dirigentes da CGTP-IN – coerentemente, nós vamos continuar a defendê-lo!

Carlos Trindade
Fernando Gomes
Fernando Jorge
Carlos João Tomás
Vivalda Silva
Jornal Expresso, edição de 21 de Julho de 2018

28 maio 2018

Declarações de Carlos Trindade à RTP durante o Congresso do Partido Socialista

Aqui ficam as declarações de Carlos Trindade, Secretário-geral da Corrente Sindical Socialista da CGTP-IN, à RTP, durante o 22.º Congresso do Partido Socialista que se realizou de 25 a 27 de Maio de 2018, na Batalha, Leiria.

03 maio 2018

1º de Maio 2018, o desfile, desde o Martim Moniz até à Alameda

Aqui deixamos um vídeo que mostra o desfile do 1.º de Maio da CGTP-IN, onde participaram delegados, dirigentes e activistas sindicais, independentes e socialistas que fazem parte da Corrente Sindical Socialista da CGTP-IN.

20 março 2018

Testemunhos XV Congresso - Fernando Gomes

Fernando Gomes, membro do Secretariado e da Comissão Executiva da CGTP-IN, fala ainda sobre o XV Congresso da CSS da CGTP-IN.

18 março 2018

Testemunhos XV Congresso - José Pinheiro

José Pinheiro do Sindicato dos Professores da Zona Sul (SPZS) deixa o seu testemunho sobre o congresso.

16 março 2018

Testemunhos XV Congresso - José Carlos Dantas

José Carlos Dantas, Presidente da Direcção do SIFAP, deixa também o seu testemunho sobre o XV Congresso da Corrente Sindical Socialista da CGTP-IN​.

12 março 2018

Testemunhos XV Congresso - Graça Silva

Graça Silva do STAL Açores deixa testemunho sobre o XV Congresso da Corrente Sindical Socialista da CGTP.